Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2013

Mandinga - parte III

- Você tem certeza? Uma vez feito, feito para sempre.
- Sim dona Nhá Moça!

A velha gorda passou-lhe a faca no braço. Com o sangue colhido escreveu os nomes dele e dela no papel, amarrou com os fios de cabelo dela e com alguns poucos dele que conseguira quando entrara de surdina na casa quando viu ele sair com a atual noiva para algum restaurante, sei lá o que... que aproveitasse porque nunca mais aquela vaca teria ele de novo! Ele era dela, e ela precisava lembrá-lo disso.

Com uma agulha Nhá Moça colocou os nomes dentro da maçã que havia sido colhida antes do nascer do sol da primeira sexta-feira do mês. Carla enfiou a maçã vagina a dentro e deitou-se na cama de Nhá Moça. O mundo girou, parecia rodar freneticamente. O mundo mudava!
Ainda bamboleante a mulher levantou de um sopetão e sentiu-se ardendo. A velha lhe acordara ao arrancar a maçã de dentro de sí, sem pena alguma.
Da fruta seca fizeram um suco, com papel, sangue e o que mais tivesse ali.
.
.
.

- Quer alguma coisa pra ajudar …

O fio de ouro

Da ponta da unha negra e suja do dedo indicador direito marcados pelas verrugas e fungos estendia-se um fio de prata finíssimo. Rígido em toda a sua extensão, mas com as pontas um pouco flexionadas pelo peso de dois barbantes de ouro que seguravam pratos de barro.
Com uma sutileza própria aqueles que desprezam o que fazem, fez rapidamente uma gigantesca e perfeita incisão cortando-o de alto a baixo.
Do peito e da barriga correu uma espuma cinzenta e outra avermelhada.

Habilmente com a mão livre recolheu-as e colocou sobre cada um dos pratos!
O fio de ouro envergou!
A velha sorriu!
A cara de desespero não veio acompanhada de um grito nunca dado, de uma ação desesperada não expressa.
Laconicamente perguntou:
- Mas você disse que realizaria um deles. O que aconteceu?
- kkkkk, nunca se deve comparar sonhos, eles existem para serem vividos e não entendidos, sentidos e não racionalizados, experimentados e nunca pesados! À aqueles que se arriscam a pesar os sonhos, e vende-los só existe uma…