Postagens

Mostrando postagens de 2012

boas festas.

A musica preenchia cada canto da casa, entranhava-se ouvido a dentro.
A sala de jantar estava ricamente ornada. Guirlandas, estrelas, luzes das mais variadas piscavam aqui e acolá, dançando conforme o som das canções que por tantos anos embalaram as suas festas.
Peru assado, brilhando de tão quentinho atiçaria a gula de qualquer um que olhasse para ele.
Nozes, damascos e outras dessas frutas e sementes que ninguém no hemisfério sul come se não for em dia de festa.
O clima era perfeito, a mesa estava completa.
A árvore, esplendorosa, gigante, repleta de bolinhas e encimada por uma estrela estava toda coberta de branco.
A visão dos enfeites fez com que se lembrasse de que era hora de começar a festa.
Falou calmamente, por alguns momentos apreciou os olhos de todos sobre ele, olhavam com uma atenção que nunca conhecera, isso era bom, somente aumentava nele a sensação que era certo.
Falou sobre o mistério da vida.
Elucubrou sobre a fé cristã e a crença na ressurreição, na beleza do menino…

Batida

- Dois cappuccinos. Quem pediu dois cappuccinos?
Pegou as duas xícaras quentes com a ponta dos dedos.
Arrependeu-se dois segundos por ter dobrado a manga direita da camisa.
A gota quente ia deixa a marca vermelha, mas fazer o quê?
Entregou o líquido a ela, sentou-se e ouviu.


Aonde estávamos mesmo?


- Sim, você também não acha que aquela série da Globo, mesmo sendo muito bonita não fez jus a obra dele?


Ela falava enquanto enrolava a ponto do cabelo grande.


...
Encontraram-se quase que por acaso.
Foi a batida de transito mais bem sucedida de suas vidas.
Ele com a cabeça em outro lugar, não reparou no sinal que fechava e encostou no carro da frente.
Ela assustada saiu do carro, esbaforida e pronto para atacar.
Desarmou-se diante do sorriso torto e o olhar de confissão.
Pediu desculpas e disse que o seguro pagaria tudo.
Dezessete ligações depois e ficou sabendo que o corretor estava em outra ocorrência e demoraria pra chegar.
Ele sugeriu saírem do asfalto e comerem alguma coisa, afinal era final de expe…

O ritual

Atras da nuvem preta o primeiro fiapo e sol se fez ver, clareando o mundo e anunciando que a hora chegara.
Ele, insone assistiuu a todo o processo em que o sol, sem meias palavras rasgou o tempo, apossando-se da Terra e se impondo como senhor.
Suspirou fundo, a cabeça pesada de lembranças, de vozes, de pessoas, de medos.
Chegara o dia de seu ritual.
Todos passavam por ele.
Todos diziam saber que ele tambem passaria.
Como ele queria partilhar dessa certeza.
Até se sentia pronto, sentia-se conscio de como deveria agir.
Mas agiria?

 - Merda!

A pouca comida que conseguira ingerir quase voltara. Sabia que precisaria estar forte para o dia de hoje, sabia que seria preciso de todo alimento e de toda coragem para cumprir sua tarefa.
Simples tarefa. Que por ser tão simples lhe dava tanto medo de não conseguir completa-la.
Os mais velhos sempre a abordavam com o desdém habitual de quem já não liga mais, talvez até por que nem lembre.
Os mais jovens que como ele ainda iam fazer o maldito teste f…

A dança

Veio caminhando lentamente, como que a revisar cada um dos passos na memória.  Mas a mente estava limpa, sem pudores ou medos. Usava uma camiseta verde escura por cima de um top acinzentando que combinava com a calça de moletom colada também em tom de cinza. O cabelo escorrido atrás das costas ainda molhado escondia o tom aloreado natural. Sob as suas gotas os milhares de prismas se escondem, sob sua camada escura a vida pulula nos açudes e nos mares e também sob aqueles fios. Colocou a sacola de viagem onde guardava a pouca bagagem que tinha no chão. Um chão que parecia se misturar ao infinito em uma mar de grama verde e milhões de margaridas amarelas cheias que olhavam-lhe diretamente, como que a captar a luz que emanava. Seus dedos podiam sentir a grama fazendo-lhe cócegas nos pés. Um pouco de terra preta ficou presa entre as dobrinhas dos dedos. Não sentiu nojo, não se sentiu suja. Sentiu-se viva! E tão viva que sobre aquela grama, sentindo o beijo do sol sobre sua pele alva co…

A bexiga Cedilha.

Éramos dois.

A lenda / A canção.