Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Democracia moderna e antiga e nova e velha e...

- Sua postura é inadmissível. Como você acredita que poderíamos compactuar com suas ideias? Tenha a dignidade de sair e fechar a porta atrás de você!
- Não o farei. Por que deveria me retirar se defendemos aqui um espaço plural para debatermos ideias?
- Hahaha, você me faz rir tentando usar o argumento do diálogo para se justificar. Dê-se o respeito rapaz.
 - Ainda não ouvi nenhuma resposta...
 - E nem vai ouvir, por que eu perderia meu tempo ou gastaria a minha saliva com alguém intolerante como você?
- Tem certeza que a intolerância é minha?
- Com toda a certeza, você representa a sociedade machista, atrasada e preconceituosa, é você quem vem a séculos marcando com sua intolerância a nossa história a ferro, fogo e sangue. Você quem levou tantos dos nossos a serem escorraçados em praça pública, você quem nos humilhou durante tantos anos e agora que estamos tentando conseguir nossos direitos você vem nos ofender como uma forma de garantir seu status quo! Criado a pão de ló por uma soc…

10 dias, 10apego, 10apareceu...

Ossos!

Caminhava lento sobre as pernas finas e cheias de varizes.
As costas curvadas e doloridas.
O latejar das juntas das costelas lhe fazia arfar de dor a cada passo.
Os olhos murchos e grelados de tanto ceticismo olharam descrentes para a figura a sua frente.

Corria ensandecida, saltava e cobria abismos.
Rodopiava como pião recém-lançado.

E com graciosidade passou ao seu redor.
Ele mal conseguia terminar de virar suas doloridas costas para procurá-la e já ia ela pra outro lugar.

A visão dela lhe provocou ânsias de vômito.
Sentiu a garganta contrair, o peito arfou uma, duas vezes, os olhos ficaram vermelhos pela pressão que subia.
Vomitou!
Litros e litros escoraram-lhe pela boca, via pedaços do que comera, do que bebera, do que já ouvira, do que sentira, vomitara tudo aquilo que já fora.

Por ela. Renunciou a si mesmo, a todas as lembranças e crenças a que havia se prendido.

Fora amargo, fora dolorido. Mas agora era livre.

Saltou dois abismos, deu três piruetas…

Eliara/ Mariano

Cabelos lambidos e de lado, fardas postas, lancheira cheia.
Opa, o cheiro de café subiu.
Correu, fechou o fogo, colocou tudo dentro da garrafa que já tinha lavado com a água quente enquanto os meninos estavam no banho.
Bora meu filho, come tudo, isso Belinha, não deixe nada.

Corta dois pães carioquinhas, separa o queijo e o presunto, coloca a xícara emborcada sobre o pirex.
Dá mais uma conferida no quarto. Ainda dorme.

Piiiiiiiiii. Sai da frente... Ai meu deus, da amanhã e essa escola não chega... Tá maluco???!!! Quer morrer motoqueiro, prestenção!!!!

Arruma o cabelo, enxuga o suor do rosto, da dois beijos nos meninos e vai pro trabalho.

Teclado, relatórios e facebook.

Conversas, piadinhas e opa, tem que pagar essas contas.

Mais uma vez teclado, um sorriso no canto do rosto.

Taxi. Cama. Sussurros. Gemidos. Taxi.

Piiiiiiiiiii.... ai Jesus, não tem mais hora pra engarrafamento no diabo dessa cidade não. Esquenta as orelhas do prefeito, aproveita a solidão pra x…