Ossos!

Caminhava lento sobre as pernas finas e cheias de varizes.
As costas curvadas e doloridas.
O latejar das juntas das costelas lhe fazia arfar de dor a cada passo.
Os olhos murchos e grelados de tanto ceticismo olharam descrentes para a figura a sua frente.

Corria ensandecida, saltava e cobria abismos.
Rodopiava como pião recém-lançado.

E com graciosidade passou ao seu redor.
Ele mal conseguia terminar de virar suas doloridas costas para procurá-la e já ia ela pra outro lugar.

A visão dela lhe provocou ânsias de vômito.
Sentiu a garganta contrair, o peito arfou uma, duas vezes, os olhos ficaram vermelhos pela pressão que subia.
Vomitou!
Litros e litros escoraram-lhe pela boca, via pedaços do que comera, do que bebera, do que já ouvira, do que sentira, vomitara tudo aquilo que já fora.

Por ela. Renunciou a si mesmo, a todas as lembranças e crenças a que havia se prendido.

Fora amargo, fora dolorido. Mas agora era livre.

Saltou dois abismos, deu três piruetas. Nunca fora de dançar, mas agora, dançava com ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina