O sacrário - parte III

Costelas a mostra...
Cabelo desgrenhado...
Chão de cimento queimado...
Luz de cinco velas azuis e pretas...
Uma refeição...

O corpo nu da mulher parecia emerso em um transe. Com olhos vazios para o mundo mas aberto para uma outra realidade a mulher comia sedenta.
Seu corpo definhado era mostra da fome que aquele ventre carregava.
O fedor era imenso.
E acima do prato imundo uma foto da criança.

Juliano parou por dois segundos, estarrecido com aquela cena com ar de sobrenatural.
Não havia crime algum, só uma loucura...
A imersão era tão profunda que a mulher nem notou a chegada do policial.

Comeu! Com toda a fome que há no mundo, com todo o desejo que há sobre a terra, comeu!
Ao terminar o corpo esquálido despencou. A respiração intensa foi dando lugar a curtas e desesperadas tentativas de fazer o ar entrar. Debatia-se.
Sem ter o que fazer Juliano assistiu atarantado a cena, até que, contorcida e ferida a imagem sepulcral parou. Com baba na boca e olhos virados, parou.

...

Mariana de Albuquerque Figueiredo e Castro - filha do dono da maior rede de supermercados do país, recém separada de um dos mais importantes advogados do estado, ex-modelo de renome internacional. - A sua entrada súbita no hospital já era o suficiente para atrair a atenção da mídia local, mas, a forma como esta aconteceu foi um prato cheio para as abelhas da informação fútil que procuravam sedentas pelo néctar do dia.
Assim, durante uma semana as manchetes alternavam: "Entre a vida e a morte!", "Usuária de drogas?", "O mistério continua!"

Aumentava a curiosidade do povo dos agentes públicos o sumiço do jovem Matheus, herdeiro de uma das vinte maiores fortunas do país.
A procura se intensificou. Mais uma vez as manchetes mudaram: "Heroína?", "Policia acredita que se trate de sequestro."

...

Mariana acordou. Em meio a fios, tubos e remédios. Estava mais próxima do peso antigo, mas o corpo já não era mais o mesmo.

Arrancava os fios quando a professora chegou no quarto do hospital juntamente ao policial Juliano.

Correria...
Agarram-la....
Gritos...
Lágrimas....
Calma...

Puxando-lhe brutalmente os cabelos a professora entre tapas e cuspes esbraveja.
- A merda com você! Onde está o garoto? Onde você escondeu Matheus? Você está aqui há uma semana, o garoto pode estar a beira da morte.

A verdade pareceu esbarrar em Mariana. O mesmo olhar ensandecido brotou. A força dos enlouquecidos lhe permitiu desvencilhar-se do abraço brutal que o policial dava. Como louca correu para o banheiro, enfiou a cara no vaso e bebeu toda a água.

Por fim, um grito... cru, visceral e verdadeiro:

- MATHEUS?!


(continua...)

Comentários

  1. nowsa... chocante... quero ver a continuação hein?
    Adoro textos que levam esse ar de suspense, de confusão até o última palavra... Très intéressant!

    ResponderExcluir
  2. Pourran, uma viagem muito torta. merecia ter sido contada com mais calma, as 3 partes divididas em pelo menos 6 e mais umas 4 até o fim da historia. tem muita coisa pra rolar aí, vai por mim. ta com cara de romance policial da rocco, eheheh

    ResponderExcluir
  3. caramba. vi nessa mulher a witch do Left4dead. Cara, procura no google ela. Imaginei assim. Tá massa esse mega conto. Tô lendo um atrás do outro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina