Fio do tempo.

O barulho contínuo das lâminas da tesoura produzia um encanto aos seus ouvidos, as mãos hábeis do cabeleireiro iam moldando o já há muito fora de corte cabelo dele. Com a cabeça ereta buscava acompanhar o desenho que ia sendo produzido. Os olhos acompanhavam ponto a ponto, até que, ao seguir um tufo que fora ceifado, a vista baixara alguns milímetros e se deparara com o olhar, seu próprio olhar. Mas quem era aquele que via diante de seus olhos?

No espelho refletia mais, bem mais que a si próprio. A luz amarela vinda da rua, quente de véspera de meio dia era combatia, justo ao meio de sua face pela luz branca vinda de um pequeno foco de luz fluorescente suspenso na parede por um daqueles adaptadores que se coloca direto na tomada. No meio dessas luzes estava ele.

O rosto lhe parecia tão estranho. Via um homem, com um rosto marcado, tantas rugas, tantas lembranças. Ao acompanhar o tracejado de uma delas que brotava no meio da testa sempre que levantava um pouco as sobrancelhas, se reviu agarrado a tantos livros, tantos textos, tantas contas e sonhos, todos eles lhe levaram até ali, até aquele momento. Cansado, com os olhos fundos de sonos perdidos. Sentira pena de si mesmo. E temera. Perdera o sono ou os sonhos? O rosto ainda suado remetera-lhe ao trabalho de onde acabara de sair, não era o que queria, mas pagava as contas. Não estava feliz, estava satisfeito.

O medo da resposta o fez baixar a vista e ao erguê-la novamente, já não era mais o mesmo, Deparara-se com uma espinhas nascente e ela o mostrava como ainda passava por mudanças, como o mundo ainda tinha muito a lhe oferecer, como ainda tinha muito o que experimentar, quando ainda não mudaria. Já não era mais nenhuma criança, mas ainda não estava completo, sentia-se em transição, sentia-se em transe.

Foram as pinceladas precisas e suaves daquela escova de crina de cavalo que o cabeleireiro costumava passar para limpar os pedaços caídos de cabelo que teimavam em não sair dos clientes que o acordou.

E já não era mais o mesmo. Sorria, pois estava mudando, tinha consciência disso. E queria.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina