A marquinha branca.

No começo tudo ainda parecia paixão.

Um arroubo de coragem meio inconsequente que havia se materializado ali.

Uma manifestação meio adolescente fruto de um misto de musicas sentimentais, filmes de romance pipoca e um pouco de saudade.

Mas aquela era a prova de que não.

Era de verdade.

Era sério.

A marca branca no dedo por baixo do anel deixava claro.

Escolhera ela e ela se deixara escolher.

Estavam construindo juntos ao concreto.

Haviam horas em que tudo parecia prestes a desabar, eram contas pra cá, planos pra lá, e as vezes aquilo que os levara a ficar juntos ficava um pouco de escanteio.

Mas naquela hora, lavando as mãos afastou um pouco a aliança e viu a marca.

Em um espaço de nanosegundos tantos dias, meses e anos juntos.

E por fim, sorriu.

Comentários

  1. Às vezes parece que está tudo tão distante e, na verdade, está mais perto do que imaginamos. E, do alto dessa pilha de planos e correrias, eu consigo ver o que realmente importa: estarmos juntos. Vai dar tudo certo. O que temos entre nós é uma pequena fortuna. Rara demais para não ser abençoada. Te amo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina