À deriva

Sentia a brisa lenta do mar roçando a face.
Absorto tentava pensar.
A fome não deixava.
Buscava concentrar-se em alguma musica que gostava tanto, mas não conseguia lembrar como ela começava.
Nenhuma gaivota.
Nenhuma alga marinha.
A terra só podia estar distante.
O quão distante ainda conseguiria ir?
Perdera o leme e as velas a mais de sessenta milhas náuticas.
Tivera um sonho. Assumira o risco. Possuía o controle. 
Tudo parecia tão distante como uma outra vida.
Estava à deriva.
Perdido em alto mar.
Sabia para onde queria ir.
Mas não conseguia ver como chegar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina