A lição.

Os aplausos enchiam os ouvidos, preenchiam cada pedaço daquela sala.
Todos estavam felizes.
Há um bom tempo o professor não aparecia pela escola. 
Mas todos lembravam dele.
Todos tinham saudades dele.
Todos preservavam na memória risadas que deram junto dele. 
Estavam prontos para ouvir.
.
..
...
....
.....
Impassível ele olhava para todos.
As palmas que já tinham se perdido no espaço haviam dado lugar a um silêncio que já beirava o constrangimento.
Alguns olhares começavam a se procurar sem saber o que fazer.
A frente da sala ele apenas olhava para o vazio.
Com um pequeno movimento de cabeça olhou em cada olho que o mirava.
Um sorriso suave e quase imperceptível fez subir o canto esquerdo do seu lábio.
Fez um meneio com a cabeça e saiu da sala sem dar uma única palavra.
.
..
...
....
.....
Foi assunto por meses.
Ainda hoje, alguns anos depois, pessoas que estiveram na sala falam sobre o silêncio.
Não poucos comentam sobre tudo que ouviram naquele dia.
Outros tantos sabem exatamente os porquês de cada movimento, obviamente sem ter certeza nenhuma sobre nada.
Alguns inclusive nunca riram tanto quanto naquele dia.

Ele não falou, mas passou o seu recado de forma magistral. 
O silêncio é a maior possibilidade de todos os tempos.
O silêncio não é a ausência de palavras, mas a existência de todas elas em latência.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina