Pedalada sertaneja

Vinha pedalando feito louco.
Gritava desembestado, rasgou a garganta até fica rouco.
Chorava feito bezerro desmamado,
totalmente indignado.
O qué que podia fazer?

Nada, e esse nada lhe doía,
bem fundo lá peito, era uma dor danada de rachar o coração.
já manchara seu pulmão de tanto esperniar.

Ouvira um não, bem grande, daqueles que ficava a ecoar.
soando dentro do juízo.

Ele agora a pedalar.
Vinha vuado, mais ligeiro que uma bala.
Era buraco quebra-mola, tudo que tivesse na frente.
Passava sem ver nem prédio e nem gente.
e nessa barruou.

Eita pau.
Todo duido olhava pros braços, todo ralado, rasgado e desconcertado quando vira que acertara uma muié.
Um flor de menina linda, mesmo toda assanhada.
Se levantou esbaforada querendo satisfação.
Totoim agora sabia. O sofrimento tinha motivo, e no meio da dor se levantou do chão
sabia agora que era praquela menina que tinha que dar seu coração.

Ela era meiga e suave, mas quando se emputava parecia chuva com trovão.
Se agigantava, gritava, esperniava e até bolava no chão.
Mas era linda aquela rosa, cheia de espinhos que lhe furava a mão.

Lhe pedira desculpa.
Levara no médico.
Trocara telefone e sonhara montão.
Foram juntos pra casa
E no fim da noite ele lhe beijou a face e quase deu pilora.
Pediu a palavra e todo exibido começou a recitar:

-Te amo menina linda. Meu peito parece explodir, quando fecho os meus olhos não vejo mais nada, só consigo pensar em ti.
Me dê uma chance de fazer você feliz.
Arranco o céu, dou vuadora no diabo, mas te convenço que você é tudo que eu sempre quiz.
Mato carrocho no grito, derrubo boi pelo rabo, mas eu não tiver você... me acabo.
Por você rasgo o bucho seco chão até sair mei litro d'água. Choro lágrima até apagar o Sol,
por isso te peço, só uma veiznha... aceite ser só minha, ó minha Carol.

-E o que é que posso dizer depois desse converseiro que você teceu só pra me convencer?
Só posso dizer que eu já nem sei mais nada, pois tu bicicleta veio feito bala teleguiada bem pro meio do meus peito.
E que mesmo que eu queira, não tem mais jeito, só posso dizer que te aceito!

Assim ficaram juntos
Pedalaram juntos, e caíram também.
Foram bem felizes enquanto estavam do lado de quem só lhes queria bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina