Notas

para ler ouvindo:

http://listen.grooveshark.com/#/s/Going+Under/18alxI?src=5



Um suspiro....

Arco em prumo...

Suavemente se deixava levar...

O cabelo lhe caia sobre a face...

Dormente...

O corpo distante de sí próprio, mergulhava seus dedos com uma fúria sombria e lenta. A cada dedilhar, a cada movimento, a cada dobra, a cada nota sua: raiva, contida e transformada em um balanço lento da cabeça que rodopiava, suave, rítmica, hipnoticamente.

O braço tenso, tenro, firme!
Fazia sua voz brotar, repetida, melodiosa, segura!
Os olhos fechados, cobertos pelas pálpebras vermelhas que doíam de tão apertadas.

Peito em fogo coração em acelerados passos, corria, transpunha a distância em poucos segundos.
O lábio superior tremia no canto direito da boca.
Se via diante dela. Mas não havia mais ninguém ali!
Seu corpo abarcava o companheiro musical, ele lhe preenchia o vazio?
Em uma dança sedenta e sensual, mergulhava.
Imergia em seu abraço, percorria-lhe com seus braços, em suas curvas sinuosas e melódicas.
Harmonia?!
O vibrar da corda tremia-lhe por todo o o braço, percorria-lhe cada membro!
Dizia com ódio!
Cada palavra era cuspida como um refluxo matinal, que lhe arrancava as entranhas, que subia pela garganta rasgando, pele, tecidos, pudores, sentimentos.

Adeus para você
Que se vá!
Se tem que ser assim, que seja!
Apenas vá!
Eu permaneço aqui,
fiz o meu melhor, estive aqui para você.
Minhas melhores notas, meus melhores olhares, minhas mais rápidas sinfonias foram para alegrar seu dia!
Procurei notas e harmonias que conseguissem falar por mim! Nenhuma delas bastou! Sempre quis mais, sempre busquei o melhor. Sempre lhe ofertei o meu tudo. Mas nada lhe bastou.

Se queres ir, que se vá!

Com um suspiro se afastara. Sujo em sangue arfava...

Comentários

  1. Isso me deu um nó na garganta!
    Recordações...

    Muito bom Dh!

    ResponderExcluir
  2. noossa...!
    é indescritível viu, toca fundo isso aêw...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina