Temistocles Alberto de Bragança Segundo

De dentro do quarto conseguia ouvir o barulho rítmico das ondas batendo nas rochas logo adiante. Perfumou o corpo nu enquanto olhava-se lascivamente no espelho. Esfregava as gotas borrifadas para deixar o odor mentolado uniforme. Ao acariciar o corpo sentiu-o aquecer por dentro com um desejo súbito. Gostou da ideia. Amou a ideia. Ainda despido percorreu o grandioso loft em que estava, olhou para a mobília cara, toda feita em madeira de lei e coberta por travesseiros de penas de ganso. Os entalhes em estilo rococó da moldura superior do sofá chamaram-lhe a atenção. Por um segundo chegou a desviar o olhar o espelho que havia na parte superior do móvel, deslumbrava-se mais uma vez. As entradas estavam ficando maiores, mas davam-lhe um ar charmoso. Duas rugas se sobressaiam as últimas correções feitas cirurgicamente. Nada demais, mas por uma fração de momento sentiu-se desvanecer, mas fora tudo um momento, uma ilusão. A barba meio grisalha que emoldurava o rosto tantas vezes premiado e há tantos anos louvado por jovens senhoras e pequenas donzelas que o assistiam pelo outro lado do tubo televisivo e o tinham como sonho de consumo fez com que ficasse rígido novamente.
Confiante saltou a frente. Ela estava encostada da grade de metal e vidro na varanda. Cobria-se apenas com um fino roupão de seda branca, que a luz do sol deixava contemplar as curvas do corpo. Que curvas? Já não havia, estava flácida, estava velha.
Haviam alugado o luxuoso apartamento para comemorar o trigésimo aniversário de casamento. Lembrou-se dos flashes, das capas, dos gritos histéricos das fãs na porta da igreja, recordou até mesmo da maluca que fora para a porta da igreja vestida de noiva na esperança de que no último momento ele desistisse de tudo e se casasse com ela. Sorriu com o canto da boca. Mas os olhos de novo voltaram a ver o que tinha defronte, o vislumbre do corpo idoso da esposa que por tantas vezes traíra era demais.

Abraçou-a ternamente. Quando sentiu seu corpo amolecer, decidiu-se. Era demais.

Jogou-a por sobre a amurada.

Comentários

  1. Ei, gostei não! Ouura mais, jogar a mulher do prédio só porque estava velha? kkk
    Texto muito bom, surpreendente! E revoltante.

    ResponderExcluir
  2. esse é o Temistocles, não eu. hehehe

    mas assim, a viajem dele é um pouco mais profunda, a esposa é um simulacro da decadencia que ele nao suporta e por ai vai.

    ResponderExcluir
  3. Eu sei rapaz. tu lá escreveria alguma coisa superficial, por acaso?

    ResponderExcluir
  4. ehehehe, as vezes ate penso nisso mas ai não dá...não dá!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina