O convite.

Duas doses de Chico, uma bela borrifada de perfume, mais um conferida no espelho, estava pronto.

Assim achava.

Carla era a mulher mais bonita do escritório. Estagiária novinha logo despertara o interesse de todo o macharal com o balançado bonito conseguido em anos de dança. O cabelo marrom anelado era todo medusa, não por ser algo do mal ou desgrenhado, pelo contrário mas era justamente esse contrário que tinha o poder de petrificar os que lhe olhavam.

Ele logo tinha todos os motivos para estranhar quando em meio a uma conversa ao lado da garrafa de café ela lhe deu dois sorrisos largos com direito a olhinho fechado e o dedo indicador enrolando os cachinhos do cabelo.

Só podia estar entendendo tudo errado - pensou - era feio, fraco e pobre. Entre todos os que estavam naquela repartição seria o último que ele mesmo daria uma chance caso fosse uma mulher.
Mas qual o que, lá estava ela, sempre aparecendo em seu computador, com as desculpas das mais tolas possíveis, cheia de dúvidas que claramente já sabia a resposta.

Conversaram vinte horas em um mês. O bate-papo já era regra ao abrir o pc, e foi nesse interim que ela o chamou pra sair.
Argumentou, se ressabiou, mas ouviu. Os colegas mal acreditaram quando ele todo envergonhado comentou sobre o que estava acontecendo. Chamaram-no de frouxo, idiota e fraco.

Ele resolveu por um ponto final naquilo, aceitou o convite. Ouviu duas doses de Chico Buarque, deu uma bela borrifada do perfume mais caro, mais um conferida no espelho, estava pronto.

Com o peito magro estufado percorreu todo o espaço do pequeno escritório, o cubículo nunca fora tão grande. Sentiu todos os olhos ao seu redor, chegou ao lado dela. Todos os truque de confiança foram para a lama ao lado daquela mulher. Mas sabia para o que tinha ido, e foi. Mostrou-se um belo de um "frouxo, idiota e fraco", mas fora fiel.

Não podia aceitar aquele convite, amava sua esposa, desejava-a como um faminto, era lhe grato e a admirava e não trocaria isso por um "forte, esperto e corajoso" amor sem lençóis.

Sentiu-se bem pelo convite, mas no final, a resposta era não.
Já tinha um amor, e um daqueles tão grandes que não deixa espaço para mais nada.
Nem mesmo para ouvir as piadas que lhe lançaram ou os apelidos que lhe deram.
Amava, isso bastava.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina