Vícios e virtudes.

Olhava como um cachorro adestrado olha para a carne que está preste a tocar no chão!
Era tudo o que queria, mas ao mesmo tempo, era tudo que deveria evitar.

Tentou desviar o olhar, mas a boca entreaberta denunciava o desejo latente.
Com um ar forçado falou - Sou muito superior a isso.

Com um sorriso no canto da boca ela respondeu: - meu bem, o que você tem não é virtude, é juventude, e só.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina