Vem-cá-corre-me-acompanha!

Huuuummmmm
carne-preta-cheiro-fumaça.

Ré...ré... rée!!! Saltitou rapidinho saindo da varanda geladinha e foi pros lados do deck, era pra lá que o faro apurado apontava.

cadê-grande-cabeça-da-matilha?
cadê-eles?

Aguçou seu faro e tinha a mais plena certeza, pelo menos o pequeno-aperta-rabo-late-muito tava ali, conseguia sentir o cheiro dele ainda novinho saindo de perto da coisa-queima-carne-boa indo em direção ao água-muita-briga-quando-bebe.

Em dois saltos já tava lá, mas nada do pequeno...

Sem duvidar do próprio faro, mas só conferindo da mais uma bela puxada de ar...

Sim, ele tava ali, o cheiro tava bem aqui... mas cadê?

Chega perto da ponta-da-pra-beber-sem-molhar e consegue ver todo turvado dentro da água o corpo do pequeno. Por isso não tinha conseguido identificá-lo logo... a água tinha esse poder de arrancar o cheiro do povo-grande-zuadento-que-da-comida.

Sai-dai-pequeno, falou...
Sai-dai-pequeno, sai-dai-pequeno.... nada de resposta...
Saltitando de um lado para o outro ele tentava chegar mais perto, mas sem cair na água-muita-briga-quando-bebe, mas o pequeno-aperta-rabo-late-muito não respondia... alguma coisa não tava normal... tinha que chamar o grande-cabeça-da-matilha. O pequeno ta precisando de ajuda!!!

Corre com toda a velocidade que as quatro patas lhe permitem, percorre todo o campinho da casa de praia até o lugar onde vários grande-comedor-zuadento estavam sentados comendo-bebendo-gritando.

Vem-cá!!! Falou com força para se ouvir no meio daquele barulho alto que saia daquela caixa preta.
Só o pequeno-chorão-agora-grande-mão-estranha-cara-esburacada reparou nele, e deu um meio sorriso, mas não se mexeu!!!

Pulou pra lá e pra cá.
Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Ai!!! Um dos grande-comedor-zuadento jogou uma coisa-de-pata-boa-de-morder nele!
Não podia parar, o pequeno tava precisando.
Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha!

Deu certo, três dos grandes-comedor-zuadento chamaram o grande-cabeça-matilha!
Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! pera...pera...
Ai...ai...

Não casa-escura-abre-noite não... Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! O pequeno-aperta-rabo-late-muito precisa de ajuda... não, pra esse lado não...

Rrrrrrrrrrrr! Me larga!!! Mordeu a pata do  grande-cabeça-matilha. Ele agora ia vir...  Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha! Correu pro lado da  água-muita-briga-quando-bebe. Ia e voltava, para o cabeça-matilha não desistir de persegui-lo, o grande-povo-zuadento começou a correr atras dele também. Vem-cá-corre-me-acompanha! Vem-cá-corre-me-acompanha!

Parou bem na borda da  água-muita-briga-quando-bebe. Sentiu a pancada nas costas e caiu dentro dela.
Ai-molhado-banho-não. Ai-molhado-banho-não. Ai-molhado-banho-não.
Conseguiu colocar a cabeça pra fora bem na hora que viu o grande-cabeça-matilha pulando com tudo...
Pegou o pequeno pelo braço... a zuada parou... estranho...

.
..
...

hum.... carne-preta-cheiro-fumaça boa!!!

Nesse final de semana comeu como nunca.
Só conseguia pensar: Tomara que o próximo seja assim!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina