Lembrança

Os ipês rosados davam um charme todo especial.
O céu de uma azul vivo completava a tela.
O som dos pássaros tinha um poder metafísico de transcender o tempo e espaço e o colocava novamente na casa do avô, criador de pássaros e sempre com uma boa conversa embalada pelo rangido do armador e do punho da rede.
Sentiu-se bem.
Encontrou a paz que buscava.
Suspirou com o contentamento de quem enfim conseguiu esquecer o que tanto o atormentava.
Aqueles dias de dor estavam chegando ao fim.
A angustia que até então lhe apertava o peito...

Alongou o suspiro no meio...
Lembrou-se de tudo que viera esquecer...
Começava tudo do zero...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina