Pausa.

A lua brilhava com uma intensidade incrível.
Por algum daqueles motivos que normalmente eram explicados em alguma matéria bem chamativa do Yahoo ela estava lá, majestosamente se impondo aos olhos.
Encantado por ela, esqueceu suas pequenas dores internas. Armou uma rede no quintal de casa, abriu uma cerveja, sentiu o vento roçar a pele e apenas sentiu...
As vezes a vida nos impõe uma pausa.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina