Ela entendeu tudo errado.

- Terminamos... Não tinha mais como não..
- Cara, não me espanta... mas por quê?
- Porque não dava... Chegou uma hora que queríamos coisas diferentes demais.
- Assim, o que ela veio conversar comigo foi que tava preocupada contigo, que achava que tu tava virando uma bomba relógio, que não se abria mais com ela...
- Pois então... Não da pra aguentar isso má.
- Mas depois daquela viagem que ela comprou pra vocês...
- Puta que pariu, nem me fale.
- Perainda, tu ta me dizendo que não gostou? Tu só falava sobre a porra da Tunísia e ela foi lá e comprou as passagens.
- Eu sei... cara, quer saber... tu não vai entender.
- Espera... tinha outra pessoa nera? Fala a verdade Otávio.
- Ter não tinha... Mas acabou tendo. A Flávia praticamente me empurrou.
- Como empurrou porra, a dona fazia tudo por ti, vivia falando de ti, estava super preocupada, fez de tudo que podia e não podia.
- Exato... Quando nós começamos eu disse para ela que eu queria alguém para amar.
- Oura porra... mas se não for isso que ela te fez, foi o que?
- Ela entendeu tudo errado. Quer saber... tu nunca vai entender também Marcelo. (Falou levantando-se da mesa do restaurante. Afastou a cadeira, deu alguns passos e voltou quase que ensaiado para uma peça mediana de escola) - Eu queria amar, nunca quis ser amado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina