João Sei lá qual.

Não era alguém.
Não tinha o cabelo mais bonito.
Não sabia mais que os outros.
Não recebia aplausos pela eloquência e muito menos olhares de cobiça para o que possuía.
Não tinha muitos bens nem muitas contas.
Vivia o melhor que podia sem que isso lhe prendesse.

Era mais um João, da família dos ninguém.
Era livre.
Era rei de si mesmo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina