A prisão dos outros e a procura da liberdade.

Os direitistas chamavam-me de comunista, esquerdopata, viado enrustido, doutrinador. Disseram que eu escolhi o lado do mal e não o da família, da moral e dos bons costumes.
Os de esquerda me disseram que eu deveria sentir vergonha por não ter tomado partido de forma mais enfática, por desviar a atenção diante da verdadeira causa revolucionária... Alienado, lumpemproletario, capacho do sistema, ...
A cada palavra que queria falar saia-me um silêncio. Disseram que era porque não tinha nada a dizer. Depois de tanto apanhar aprendi a guardar, a não falar, e fui-me enchendo de tantas palavras não ditas, e das sobras daquelas que eram mal ditas...
Estufado o peito, precisava aliviar a pressão. Aliviei-a pintando a parede atrás do meu corpo com sangue e viceras arrastadas pela bala que enfiei no coração.
Morto admirei-me por reencontrar tanta gente de quem eu sentia falta.
Busquei um abraço.
Mas antes que eu pudesse terminar de falar me disseram: como você pôde querer morrer quando a única coisa que queríamos era viver?

Comentários

  1. que lindo. o mundo segue gerando silêncios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vaila Jesus, um comentário. hehehe Não sei lidar com isso kkkkkkk

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

Retomada não programada.