navegador de estrelas

O barco passeava manso...suave e calmo, a vento leve e tranquilo...passavamos em meio as estrelas.
pouco a pouco e lá se ia Órion e sagitário, marchavamos a trote limpo e plácido pelas constelações logo, já fora o zodíaco quase todo...

O mar estava calmo, estranhamente calmo, a ponto de ser um espelho tão limpido que era como estar nas estrelas e a paz que ele transmitia era tão grande que acho que dveiamos realmente estar no céu... nunca vi nada mais belo que isso, singrar as estrelas com suavidade e constância...

Talvez isso seja morrer, mas algo é certo, me ensinou como é belo viver.

Navegar é preciso, viver também é preciso, pois vivo para navegar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina