O sacrário - Final

O sol alaranjado marcava o fim de mais um dia...

O vento balançava forte as árvores daquele campo santo...

Um misto de comoção e alívio, indignação e incompreensão permeava todos que lá estavam...

Enfim tudo acabava.

Havia grupos bem definidos.

De um lado os donos das empresas de jornal e televisão, felizes pelo pão-nosso-de-cada-dia garantido por pelo menos 15 dias de repetições ininterruptas daquele caso, que acima de tudo, era insólito.

De outro, dois ou três parentes do jovem Matheus que vieram despedir-se. Ele precisava ser pranteado, ele precisava descansar, depois de tudo...

Os mesmos dois ou três parentes da mãe, Mariana de Albuquerque, enfim partia desta vida. Que o diabo a levasse por tudo que os fizeram sofrer!

Em meio a tudo isso, a professora, o policial e o réu.

...

A fumaça subia como um incenso que leva a pequeneza humana a entrar em contato com Deus, ou com os deuses...

As cinzas são jogadas ao vento e assim mergulham novamente na criação. Era a forma que Mariana sonhava, cria que permaneceria viva, misturada novamente ao mundo, sendo parte da natureza, assim falou sir Thomas. Assim fizeram os poucos que tiveram estômago para suportar a loucura daquela mulher.

Loucura de mãe que viu seu filho minguar diante de uma rara doença, que procurou usar de todos os recursos que dispunha para dar-lhe o melhor tratamento possível, e assim foi a Europa, por isso chegara a Oxford, e pelo mesmo motivo Mariana conhecera Thomas. As lágrimas que caiam dos jovens e belos olhos da ex-modelo brasileira cativaram o professor inglês de meia idade cansado da rotina e que do alto de seu status procurava um pouco mais de sentido para a própria vida que levava. Consolaram-se e durante este consolo buscaram o autoconhecimento.

Abriram-se a novas experiências e a novas culturas, mas Mariana fora longe demais - disse em meio a lágrimas o professor, agora réu, Thomas - o que, para o inglês era curiosidade, para a brasileira se tornou a solução.

Matheus ficava mais fraco a cada dia, e a cada vez mais aumentava a certeza em Mariana de que o pai do garoto, advogado, logo teria a guarda da criança. Alegaria que a ex-esposa era culpada por tudo, criaria um espetáculo e convenceria aos seus pares magistrados a arrancar Matheus de junto da mãe. E isso ela jamais poderia permitir. Achara a solução. Em meio aos estudos que fizera junto com Thomas, Mariana encontrou o relato de um antropólogo que conviveu com um grupo aborígene que possuía uma relação de amor familiar tamanha que completava internamente o ciclo de vida e morte.

Eis a resposta. Ele tentou colocar-lhe um pouco de juízo, mas ela repetia sempre a mesma frase, como se fosse um mantra:

- Eles não vão tomá-lo! Ele é meu! Eu sei o que é melhor para ele!

E assim o fez. Mariana tomou o corpo frágil e doente do filho nos braços. E neste abraço maternal tomou-lhe a vida. Um golpe limpo, não tinha como errar, no meio das costelas evidentes, batia o coração da criança, pequeno e fraco... Não demorara, em poucos segundos, os braços e a cabeça penderam soltos.

Com a mesma faca ela cortou milhares de pequenos pedaços, um a um ela os comeu. Tomou cada gole de seu sangue e a cada inspiração sentia sua alma ser preenchida pela do filho que agora voltava para casa. Dentro dela, onde nada o faria mal, onde mais uma vez seria um, de onde ninguém jamais o poderia tirar.

...

A história contada no quarto de hospital terminou no mesmo instante em que a máquina soou o apito que avisava que o coração de Mariana parara, os médicos tentaram reanimá-la, mas ela queria morrer, o corpo não reagia por que a alma já se fora. Matheus era O motivo de viver para Mariana. Durante meses a mulher alimentara-se de suas próprias fezes, mas não era o excremento que comia e sim a seu próprio filho, repetiu centenas de vezes esse ritual, a cada dia seu corpo ficava mais fraco, mas ao mesmo tempo seu espírito era mais feliz pois tinha certeza de que a cada esforço dava a ele um nova chance, um segundo a mais de vida que fosse, dentro dela, e dava seu corpo para o seu filho sem temer, sem pensar em nada mais, somente no amor que sentia por ele.

Deixava de ser alguém para ser o seu sacrário!


Comentários

  1. Caramba, wow, Eca!
    Muito bom mesmo viu. É trágico, ao mesmo tempo que é comovente, envolvente, bonito de um jeito estranho. Gostei!

    ResponderExcluir
  2. Caralho! caralho! Muito bom! mano, eu quase pensei outra coisa quando ia chegando ao fim. Pô, tu me prendeu pacas nessa história. O bom foi ficar imaginando esse final antes de ler.

    ResponderExcluir
  3. Cada vez te admiro mais Dhenis...Você tem talento!
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina