Jonnhy era um homem legal.

Catherin ficou muito apreensiva quando o pai chegou com a notícia, estava prometida para um homem que nunca vira na vida, mas que tinha dinheiro suficiente para convencer o pai de que daria um bom futuro para a única filha dele.

Consternada e contrita subiu ao altar. Surpreendeu-se de como ele era belo e forte. Os cabelos loiros caiam pela testa em um penteado que dividia os fios ao meio, a barba rala e por fazer dava um aspecto de trabalhador e ao mesmo tempo de machão. E ele era. Impressionou-se como todos na pequena cidadezinha do oeste americano respeitavam seu novo esposo. Sempre o cumprimentavam, os presentes foram tantos que ela demorou uma semana para terminar de abrir todos e coloca-los em algum lugar dentro da casa grande e maravilhosa em que agora morava.

Tiveram cinco filhos, ele não dava descanso para Catherin em nenhum momento. Era presença garantida na cama da esposa mesmo quando a barriga já estava crescida. Ah, e como era bondoso com ela, dava-lhe tudo do bom e do melhor. E o amor que tinha pelos filhos? Impressionante, não media esforços nem gastos, tudo o que lucrava com a loja de colchões e travesseiros era para a família.

Fazia cinco dias que ele não aparecia. Estava procurando mais produtos para completar o estoque que já estava criticamente pequeno. Saíra armado com rifle, faca e revolver.

Foi uma correria impressionante. As crianças pareciam cães farejadores, sentiram ao longe que o pai estava para chegar. Exultantes acompanharam a carroça por uns trezentos metros.

Beijos e abraços. Estava tudo bem, ele voltara inteiro.

Mostrara o resultado da caça para Catherin. Dentro da carroça cento e cinquenta cabeças de índio que logo - logo seriam descartadas. Importava-lhe o cabelo, com ele preenchia os colchões e travesseiros. Com ele botava comida no prato das crianças. Com isso fazia Catherin feliz.


Comentários

  1. :O
    Passada aki. Antes de acabar o texto fiquei imaginando um trilhão de coisas que ele poderia botar nos travesseiros, mas NUNCA que ia pensar em cabelo de índio! Mas tu tem uma mente fértil né caboclo? kkk. Gosto quando vc escreve esses contos de terror, são muito divertidos de ler!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que você gostou!
    happy halloween. Feliz dia do saci. hehehe.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina