Miopia! ou A beleza de um Atari.

Queria eu ser míope.

Queria ver tudo igual a um borrão,

Por que assim, todos seriam iguais, não haveriam nem bonitos nem feios, nem héteros nem homossexuais, não haveriam cabelos da moda e cortes ultrapassados.

Haveria ainda algumas diferenças, essas não poderia apagar. Talvez sejam ate mesmo necessárias para fazer o mundo ser divertido.

Quem sabe, se a vida fosse um jogo, não igual a esses moderninhos de computações gráficas perfeitas ou simulações realistas.

Seria bom se a vida fosse um grande Atari, onde todos fossemos bonequinhos e três ou quatro pixels, ai queria ver se ainda teria tanta gente se matado e se odiando...

Querem tanto me fazer ver... me dizem tanto para abrir o olho, acho que o melhor seria fechá-los e não ver nada, so sentir.

Sentir o calor de meu amigo, a voz afável de meu irmão, o carinho de minha namorada, o companheirismo de meus colegas. O vento frio e o calor do sol, pronto, só isso, sem tantos detalhes, sem tanto disse me disse ou chororô, só sentir.

Talvez seja isso, talvez seja melhor fechar um poucos os olhos às vezes.

Comentários

  1. Acho que pra que tudo desse certo, precisaríamos ser meio míopes e meio surdos também. Às vezes, sinto saudades dos meus óculos. De vez em quando os tirava e enxergava com a minha miopia de 7 graus. Às vezes, tudo parecia bem melhor mesmo. Agora eu só me lembro, uma lembrança vaga. E engraçado: quando tirava os óculos, ficava ainda meio surda, completando tudo. Era bom.

    Acho outra coisa: que você está precisando ler Drummond. Pra ontem! Está num clima de Drummond, vai por mim!

    ResponderExcluir
  2. É verdade isso aí que a Mayara falou, minha miopia é só 2 graus e eu faço isso toda hora! Sabe, tipo Paralamas: eu tiro os óculos e não vejo ninguém!kkk.É bom pra esquecer do mundo quando necessário.

    Adorei o texto. Pura expressão de como todo mundo se sente às vezes. Poesia em prosa. Clima de Drummond mesmo, mas pinceladinho com o teu jeito de escrever.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina