Tempo

Começo a apreciar o todo monocórdio das tardes de domingo.

Dei por mim saudoso das manhãs de sábado passadas dentro de oficinas mecânicas.

As semanas corridas de aulas e atividades, de estudos, leituras e pesquisas.

Da demora chata para encontrar a informação tão caçada no meio dos papeis poeirentos dos arquivos.

O tempo está passando e é preciso viver.

E me vejo querendo viver cada parte da minha vida.

Errando, sofrendo, lutando, sorrindo e amando.

Amando um amanhã que está por chegar, mas mais ainda o presente que me é dado.

Que me é imposto.


É preciso viver.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina