Cerol

Demorou um pouco, foram dois ou três percalços, mas conseguiu! No começo tentaram lhe empurrar para baixo, mas juntos continuaram e pronto: estava lá!

Sentiu a brisa gostosa tocando-o por inteiro, curtia cada momento, as vezes um ou outro puxão lhe fazia acordar e se mover um pouco. Contudo, o que gostava mesmo era de poder ficar só curtindo o ventinho manso e o sol batendo, aquilo é que era vida.

Mas ele apareceu, não conseguiu reparar em mais nada.

Conseguiu se aproximar dela, até o vento devia ter entendido o recado o se colocado favoravel aos dois.

Se cruzaram, por um instante mágico sentia que estavam conectados, mas... pera lá, o que é isso?.... ela foi ficando cada vez mais longe, mais distante, lá de baixo começou a ouvir um misto de risadas e choro.

- Meu deus agora a pouco tudo estava sobre controle e agora... e agora...

Vagou ao sabor do vento, angustiado esperava, sabia que uma hora a brisa iria diminuir, e nessa hora... cairia...  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina