Migalhas

Olhava para a tela mais uma vez...
Os olhos fixos olhavam mas não viam...
Pensava mais uma vez em como ela era incrível...

Que merda... queria muito deixar a imagem dela pra lá, mas não conseguia.
Procurava conectar-se mais uma vez...

"Visualizado"... "visualizado"...

Aquele sorriso maldito não lhe saia da cabeça.
Os olhos dela apertadinhos enquanto a ponta dos lábios subiam suavemente, o cabelo preto deslizava pelos ombros enquanto ela inclinava suavemente a cabeça...
Não conseguia esquecer.
Já tentara fazer consigo mesmo aquilo que uma vez dissera para ela...

- Viva a sua vida, o que vier é lucro, se ele quiser ficar, ele vai ficar, não porque você quer, mas porque ele escolheu.

Naquela hora tudo parecia tão simples, tão racionalmente lógico...tão óbvio...
mas não, não fazia o menor sentido.
Estar ali na frente do computador mendigando por dois segundos de atenção dela.
que merda...

Ela não merecia isso tudo, ele era muito melhor do que um verme que criava raízes na frente de uma tela de computador enquanto esperava ser de alguma maneira notado, enquanto deixava tantas histórias, tantas vidas, tantos amores passarem ao redor de si.

É isso, precisava sair dali, precisava tomar um pouco de ar. Ela que se dane!

"- oi"

OI?! Ela respondeu? Ela voltou?

E mais uma vez as raízes encontraram água... mais uma vez permaneceu bebendo doses insignificantes de atenção. Sabia que daqui a pouco estaria mais uma vez ali, sozinho, mas quer saber... que se dane. Queria aqueles segundos, queria ela... queria suas migalhas, queria...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina