Ordem

Os camelos voavam suavemente na manhã gélida do Monte Pascoal.
Por sobre as colinas podia avistar os cardumes de peixe correndo em direção ao mar para alimentar-se das cabras que colocavam suas narinas para fora a procura de oxigênio.
O sol pálido não esquentava mais que um gole de gordura.
Engoliu com força a xícara inteira. Precisava estar quente para sobreviver.
Assistiu a assombrosa valsa melodiosa dos caçadores correndo abaixo a procura dos planctons saltitantes. Precisava se animar, precisava correr atrás de seu alimento também. A horda não estaria sempre ali para alimentá-lo.

O tempo de confusão mental tinha que ficar para trás. Era hora de colocar tudo em ordem novamente. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina