Caminhada


Tirou o cabelo do rosto com a mão direita.
O peito ardendo era o prenúncio.
As pupilas dilatadas mostravam o olhar atento.
O corpo buscava transparecer segurança.
A hesitação milimétrica no caminhar colocava toda a cena a perder.

Estava tensa.

A garganta travada não a deixava pensar o contrário.
Enquanto muitos parariam, ela resolveu dar uma passo a mais.
Era mais fácil permanecer.
Mas era mais vivo continuar.
Era mais simples fazer mais do mesmo.
Mas queria a excitação do original.
Era mais seguro estar.
Mas ela escolheu ser.

Deu o segundo passo.

E todos os outros se seguiram.
As vezes adiante, as vezes para trás. Em alguns momentos hesitantes, em outros seguros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina