Idiota

Não passa de um idiota.
Com seu sorriso largo e sempre aberto.
É um idiota de marca maior.

Dizem-lhe não, ele escuta um talvez.
Mandam-lhe fazer.
Ele faz... e ri de ter feito.
Falam-lhe que é impossível... e ele acha graça.

Para ele existem rótulos, mas eles são só rótulos...
Que escondem... lá no fundo, pessoas.

Machucam-lhe no agora.
Na hora odeia, em cinco minutos esquece, em dez... sorri.

O céu ainda lhe parece belo.
O sol incrível.

Prefere gozar.
Escolheu sentir o prazer.

Sabe o que é sofrer.
Conhece cada palavra de exclusão.
Poderia recitar cada uma das negativas...
Mas prefere ser idiota.

Prefere dizer sim.
E sorrir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina