Dia de chuva

Eram três da tarde.
O céu negro fazia parecer oito da noite.
Ela só queria estar enrolada, em cima da cama, de meia e tudo... quem sabe com uma costela do lado.
Ele só queria que aquele dia de merda acabasse. Tinha estudado horrores e mesmo assim a nota foi uma bosta, quem sabe se aquela menina dos sonhos de colegial estivesse com ele hoje, teria onde reclinar a cabeça e chorar a raiva de não ter conseguido.
Ela caminhava um passo ligeiro de quem teme a chuva.
Ele ia marchando lento debaixo do guarda-chuva ao ritmo da musica que ecoava na cabeça.
Juntos esperaram no sinal.
Provavelmente eram a resposta que o outro precisava.
Pararam um ao lado do outro.
Mas estavam a um guarda-chuvas e um fone de ouvidos de distância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina