Haussá

A mãe alva como a neve.
Dela herdou os olhos verdes e o desapego com a aparência.
Do pai veio a malemolência baiana.
A altura e os cabelos de haussá.
Sempre viveu mas pouco conviveu.
Estranhava porque os pais dos colegas se apressavam quando ele chegava perto.
A adolescência lhe deu um experiência estoica, vivendo em um exílio não-auto-imposto.
Refugiou-se nos livros.
Conheceu Tostoy, Bakhtin, Heidegger, Fourier, ...
Sem ter muito o que fazer foi a tal roda de conversa para debates sociais.
As palavras que lhe fluíam da boca foram bem aceitas.
Sentiu-se em casa.
Foram seis meses perfeitos, até o dia da eleição do conselho diretor.
Acusado de "preto imundo" viu todo o restante da história por detrás de uma cortina d'água que lhe encheu os olhos.
Assim nasceu e morreu um comunista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina