A ilha.

O som da voz de Nina Simone vinha lá de longe, de sei lá onde.
Sem pedir licença entrou pelo seu ouvido e correu na velocidade do galope de Scadufax a plenos pulmões pelas planícies de Rohan, mal chegou atravessou todo o seu corpo e foi coçar-lhe o cérebro, foi despertar-lhe o coração. 
Parecendo gás de refrigerante enchendo a boca e explodindo o mesmo sabor por todas as papilas ao mesmo tempo. 
A música lhe invadiu.
E numa sinapse que quase acompanhava a velocidade da luz percebeu: a rotina havia lhe consumido.
Deixara que a corrente lhe levasse.
Sempre que parava um pouco tentava ler ou ouvir sobre as notícias daqui e dali, de perto e de além. 
Sem perceber tornou-se pragmático. 
Seu rocha de salvação no meio da correnteza cotidiana era a música e tinha soltado os braços que durante tanto tempo a agarraram com firmeza. 
Mas a voz forte, aveludada, impositiva e verdadeira de Nina mexeram consigo.
Parece que uma ilha se levantava sob os pés e o erguia do meio da rotina. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina