23 de abril.

Pediu-lhe a graça.
Não buscava a vingança ou a destruição.
Não lhe movia o sentimento negativo muito menos o desejo de demolir ao outro ou aos seus feitos.
A catequista lhe ensinou que deveria dar a outra face ou perdoar setenta vezes sete, até tentava, mas doía muito ser ofendido para poder perdoar.
Seu amigo lhe falou sobre carma, sobre suportar a dor, parecia tão resignado... Não lhe apeteceu.
Também nunca quis mover as forças da natureza para atacar como a melhor defesa.
Isso era só trocar a dor. Deixaria de lhe doer a ofensa recebida para lhe doer o remorso do mal impingido a outrem.

Um dia encontrou Ogum. Nunca mais parou de repetir:

"Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.

Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos.

Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo. São Jorge Rogai por Nós. Amém”

Nunca se sentiu tão bem. Não queria o mal de ninguém, queria viver em paz mesmo sabendo que o ódio e o mal existiam, sabia que era inútil pedir que eles acabassem, afinal, sem o mal, quem se importaria com o bem?
Preferia viver sua vida o mais longe que pudesse das artimanhas.
Revestiu-se da guia de Ogum.
Sentiu o abraço do pai da gira.
Andava de peito aberto, mas de corpo fechado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A estabilidade fulgaz.

A escolha.