Tecendo o amanhã.

Escreveu, planejou, correu, alinhou, julgou, suspendeu,...

João Cabral de Melo Neto dizia que galo sozinho não tece o amanhã. Sua sorte era que o amanhecer era inevitável. Era uma força, uma potência da natureza imparável. Enganou-se todas as vezes que acreditava criar o amanhã. Ele sempre viria. Esforçasse-se ou não.
Era passageiro de uma viagem não programada para canto algum.

Mas era humano, demasiadamente humano. Precisava iludir-se com a ideia de que tudo fazia sentido. Por isso, implorava a Iansã, senhora dos ventos e das tempestades, traga as chuvas, a fúria a força e a valentia. Xangô meu pai, em tuas mãos a justiça, nas minhas, apenas os calos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A prisão dos outros e a procura da liberdade.

Retomada não programada.