As filhas da mesma mãe

Sentia a água correr por seu corpo. O líquido frio passava-lhe pelo peito cabeludo arrastando as sujeiras de dias e dias de poeira, marcha e cansaço. Sentia os pelos arrepiarem-se em busca de calor. Sempre achara engraçado esses carocinhos que apareciam na pele quando sentia frio. Um dia, se possível, pediria para um doutor lhe explicar o por que disso.
O cabelo já meio comprido caía perto do ossinho que marcava o fim do pescoço e o começo das costas. Estava mais magro, os últimos dias foram tão corridos que não conseguira comer direito, só um pão velho e dormido aqui ou acolá. E para dar gás, engolia um trago de pinga para esquentar o sangue.
Finalizado o banho, enxugava-se lentamente, procurando deixar limpa cada uma das reentrâncias do corpo, esfregava com força entre os dedos dos pés, parecia que ia arrancar o couro, mas queria que tudo estivesse perfeito.
O cheiro doce da alfazema entrava-lhe pela narina enquanto banhava-se no líquido perfumado.
Vislumbrava o rosto no pedaço de espelho que lhe restava. A espuma feita com sabão de coco era agradável, mas a lâmina com que retirava a barba estava gasta e lhe abria alguns talhos na pele. Como estava enrugado, como as marcas do tempo lhe eram profundas, mal podia acreditar que era aquele mesmo moleque de há poucos anos.
O ritual aproximava-se do fim, e o peito começava a reclamar, pela primeira vez na noite as emoções lhe traíram.
Por um segundo tivera medo, mas o toque duro do couro sobre sua pele deu-lhe segurança, lá estava sua armadura, e com ela iria ao inferno.

Todo pronto, cheirando a alfazema, com os cabelos empapados de clara de ovo e pouvilho. O rosto parecia resplandecer. O vento forte do sertão não parecia tocar nele. Todo o resto do bando olho-o com admiração, era por aquele homem que iriam lutar, era ele quem lhes conduziria a vingança e a vitória.

Ao pé do ouvido a mulher, sua mulher, admirada com a beleza evidente e com todos os cuidados do marido lhe perguntava o por que tanto preparo se iam para uma morte certa.
E sem pestanejar ele retrucou em alto e bom som - Um homem deve mostrar seu melhor para o amor e para a guerra. As duas são filhas de uma mesma mãe chamada Glória!

Comentários

  1. dhenis tu escreve muito beim véio... adorei. É inspirado no lampião nér? mt bom viu...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina