Mensagem

O vento soprava pela janela de seu quarto. Seria até muita bondade chamar aquela brisa morna de vento. Era lenta e morosa, parecia que até a natureza estava com preguiça por causa do calor.

Essa lentidão o deixava louco.

Já se passavam tres horas, tres horas e meia, sei lá, se deitara, desde que começara a tentar descansar a cabeça. Que engano, não podia.
Rolava de um lado para o outro do colchão, já tentara todas as posições possíveis e imaginávies para adormecer. Arriscara-se a assistir a televisão, ler livros, pensar em histórias. Já adiantara o serviço do dia seguinte. Aventurara-se pelo twitter, facebook, orkut, nada interessante. Estava engasgado. E mais uma vez bolava na cama, já perdera a paciencia e arrancara o lençol. Não conseguia se concetrar em nada, nem em dormir.

Minto, em algo ele mantinha seu foco, e era isso que tornava o resto do mundo insípido. Queria aquele ouvido ao seu lado para poder dizer: Te quero, te amo. Mas como poderia dizer? Não sabe ao certo onde estava ela. Até sabia, mas queria ouvir sua voz, olhar para seus olhos e lhe fazer carinho. Não dava.

Há muito não rezava, mas dessa vez juntou as mãos, fechou os olhos e pediu que o vento lhe fizesse o favor. Soprara com força e rezara a Deus que levasse um pouco do seu calor para aquecer a noite dela.

Não sabe se deu certo, mas conseguiu dormir.

Comentários

  1. Se foi pra mim, só posso dizer que o ventinho quente e aconchegante da sua voz aconchegou minha noite, que foi difícil, mas serviu para acordar renovada. Te amo. Logo estou de volta.

    ResponderExcluir
  2. é claro que foi pra você. todos os meus versos, letras, sentimentos sempre são pra você. mesmo que não sejam os melhores, mas são carregados de boas intenções.

    ResponderExcluir
  3. Elas são as melhores, sempre. Como diria o personagem da peça ontem, você está sempre bonito, mesmo quando está feio.

    hehehe...

    ResponderExcluir
  4. ownn que lindoo... é incível quando alguém consegue transformar algo ruim que está sentindo numa obra de arte no papel... deu pra sentir isso lendo viu dhenis... brilhante...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina