Homens e cães.

As unhas longas e bem pintadas percorreram-lhe a barba rala com um misto de carinho, seriedade e raiva.
O olhar pétreo juntou-se ao dele e com a voz professoral Cassandra lhe disse:
 - Heitor, Heitor... os homens realmente são como cães... correm atras do que não tem... até acharem que tem... aí como não sabem o que fazer, correm atras de outra coisa.

Com um tapa suave encerrou o assunto. Deu-lhe as costas e foi embora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina