Inferno

Era linda.
As coxas roliças.
O sorriso límpido.
O olhar sincero.
A pele suave.
A mente sagaz.

Chamou-a de inferno. 
Era o desejo nunca concretizado.
Era o que não se podia tocar. 
Alimentava-se de dor. 
Lavava-se com lágrimas e com elas tornava-se cada vez mais bela. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina