A bolha

Carla perdeu o ônibus.
Afonso ganhou um celular novo. Era seu aniversário.
Jonas engoliu um pouco de água na piscina. Era seu primeiro dia de natação. A mãe se desesperou, ele só tem quatro anos.
Kélvia terminou a redação sobre maioridade penal. Sentiu orgulho de si.
Kin falou sim. Cho também. Estavam casados.
Emerson despediu-se do pai. Uma lágrima escorreu em cada olho. Agora era o homem da casa. Teve medo.
Neto assaltou uma mulher no sinal. Gastou o salário dela com crack.

Nenhum deles sabe quem é o outro.
Cada um deles se acha o centro do mundo.
Todos estão na mesma bolha.
Mas todos se veem acima dela.
Cada um é. Cada um está.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina