Autoimagem

Olhou-se no espelho.
Achou-se bela como sempre.
Passou o batom vermelho na boca.
Duas pinceladas rápidas.
Movia-se com destreza.
Um biquinho, dois beijinhos no papel para tirar o excesso. Um sorriso cheio de dentes e voilá. Estava pronta.

No trabalho tinha a certeza que todos lhe olhavam. Era linda.

Ele apareceu. Tirou uma piada e se foi.
O outro passou e nem ligou.
O terceiro até lhe elogiou.
Sabia que era linda. Era óbvio. Todos podiam ver.

Almoço chegou.

- Cláudio, vem cá...
- Que foi Sâmia?
- Eu sou bonita?
- Claro, claro.
- Tem certeza?
- Sim sim, você tem uma beleza... olhou para o além a procura da palavra correta... exótica... a palavra lhe escapou dos escrúpulos por um milionésimo de segundo. Não dava mais pra voltar.
- Exótica? Como assim? Todos dizem que minha irmã é linda e eu sou a cara dela.
- A cara da Karla?! É.... sim sim, claro.
- Sério?
- Sâmia... é... tá... é....

Meio embriagada pela chateação e pela contrariedade correu pro espelho do banheiro.
Em um piscar de olhos, e somente nessa velocidade menor que o bater das asas de um beija-flor viu-se com os olhos de outrem. Era completamente diferente.
Tinha certeza que era bela?
Ora, mas realmente sabia quem era?
Quantas vezes por dia ficava diante de si?
Quantas horas por dia enxergava seu próprio rosto?
Era ela quem se via, todos os dias, com os cabelos desfeitos pelo vento da janela aberta do ônibus?
Era ela quem tinha que mirar o rosto suado pelo calor escaldante dos trópicos?
Conhecia-se para além das selfies e dos filtros mágicos que pululavam nas apps stores?

Deu-se conta que era quem menos conhecia a si mesma.
Talvez soube-se de suas lutas e de seu íntimo.
Sabia melhor do que ninguém cada uma das questões que tinha que enfrentar diretamente.
Via-se por dentro.
Por fora, era uma estranha.

De sua autoimagem, diferia a imagem.
Esta, era mais dos outros do que de si mesma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina