Casa de mãe.

O metal da aliança arranhando as panelas.
A aspereza da língua do cachorro que sempre encontra a ultima pancada.
O cheiro do café invadindo as narinas.
O chão frio sob os pés.
A madeira velha da poltrona entre os dedos da mão.
Um sorriso no rosto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina