Nanoolhos - parte II

- Cara, é óbvio que estamos no limiar de uma mudança de sistema.
- Francisco... sério... a melhor coisa que tu faz é ficar calado, porque ta ficando cada dia mais difícil conviver contigo. Eu não me deslogo pra isso não ó...
- Pensa comigo Jones, sério, presta atenção tu também Marconi, desde a guerra dos mundos há 67 anos estamos consumindo o restante do corbescônio das colônias que permaneceram sob o controle da Terra... Já já vamos ter que pensar uma organização alternativa da sociedade.
- Cara, de boa?! (Falou Jones levantando da cadeira) Melhor eu sair daqui que logo logo os Organizadores chegam aqui e eu não quero nem ver o que eles vão fazer contigo se tu continuar com esse tipo de pensamento.
- Tudo bem, tudo bem, eu paro...
- Vamos deixar de falar besteira e vamos aproveitar os últimos googlecredits pra fazer alguma coisa que preste? (Falou Marconi desativando a skin de topete do Elvis que tanto gostava)Tava aqui vendo, parece que tem uma skin retrô nova que deixa as coisas com a aparência do final do século passado.
Aproveitaram o restante da noite entre cabelos escorridos repartidos ao meio, blusas xadrez e jeans lavados por todo lado, sem falar nas mulheres siliconadas...
Francisco decidiu não voltar para casa ao final da noite de tubotrans – aqueles dutos de ar comprimido que conseguiam levar as pessoas a uma velocidade superior à 200 km/h-. Houve um tempo em que quase todos ficavam em casa mesmo ligando as skins em comum pelas conexões de altíssima velocidade li-fi, mas o governo teve que fazer uma série de campanhas no final dos anos 2100 para que as pessoas fizessem pelo menos pequenos deslocamentos para evitar o excesso de perda muscular que estava se tornando epidêmica em São Paulo. A população demorou a se reacostumar com a ideia, por isso da invenção dos tubotrans, era possível encontrar postos de entubamento a cada quilômetro fazendo com que nunca uma travessia demorasse mais do que isso. Os maratonistas eram os únicos habituados a percorrer mais do que cinco estações a pé. Hoje Francisco fez a mesma coisa, não por escolha, mas por não ter reparado na distância que estava percorrendo. Assustadoramente percebeu que o corpo não se liquefazia totalmente só percorrendo essa distância. Pela primeira vez conseguiu abstrair completamente da rede social e da liveskin. Percebeu o quanto podia pensar de uma única vez, a facilitadora Jane estava errada quando tinha lhe dito que doses maiores do que dez minutos de pensamento limpo eram capazes de provocar perdas irreparáveis na compreensão da net. 
Logou-se assim que entrou em casa. Já havia setenta e duas chamadas de chat não atendidas e até duas ordens de busca de ID em aberto... A irmã preocupada como sempre com a segurança dele, que inclusive não conseguia entender como ele tinha a coragem de continuar morando naquela vizinhança onde já tinham ocorrido dois homicídios nos últimos seis anos, não podia ficar uma hora sem notícias dele que se desesperava.
Por um milhonésimo de segundo Francisco percebeu o quanto aquilo tudo parecia exagerado. Toda a informação ao seu redor. A quantidade exobitica de opiniões sendo expressas por minutos, tantos falando de tanta coisa o tempo todo... Era um mundo de especialistas excêntricos sem formação profunda em coisa alguma.
Repentinamente foi deslogado.
- O senhor está preso por desordem mental!

Sentiu a corrente elétrica por todo o corpo. 
O mundo escureceu.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina