Porto

Estes dias, o barco navegou forte, e chegou a praias distantes. Tão distantes que o mar não tinha mais a mesma cor, e o sol queimava de forma diferente. Aportei como quem não sabe nada, não quer nada e não pode nada...

Era um povo diferente, uma terra nova, com gente morena e polidez na língua. Cheios de uma altivez que estranhou, mas que me lembrou de casa...
Por falar em casa, pensei que estranharia, até, que não gostaria.

Mas me senti bem.
Me senti com se estivesse no lar.Ela estava lá.

é...acho que meu lar é ao lado dela.

Tudo pareceu mais aprazível, mais palatável, mais divertido, até mesmo amigável.
Gostei de estar lá.
Mas minha casa é o mar. É onde sei que ela vai estar.
Voltei.

As ondas parecem ter perdido um pouco o sabor, mas sei que é questão de tempo até que eu vou a ser do mar. Ele é o mesmo, eu que mudei.

Mas voltei, por que esse é meu lar.
Por que é aqui que ela está.

Comentários

  1. E eu vou estar ao seu lado. Por que é o melhor lugar, o paraíso, o porto. É o chão dos meus passos cambaleantes das ondas cotidianas.
    Felicidade saber que sempre que estivermos juntos será como um caracol: teremos sempre a casa nas costas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina