Cruzamento

Conferiu o pano passado pela sétima vez seguida.
Arrumou um fiapo do cabelo que teimava em não ficar no lugar.
Passou mais uma dose de desodorante, por cima da blusa mesmo... não podia chegar com aquelas duas manchas de suor debaixo do suvaco que teimavam em aparecer sempre que ficava nervoso.
Sentiu o estômago gritar mais uma vez, resolveu ignorar... Se tivesse se rendido na primeira ânsia de vômito já não teria mais nada do pão com café requentado que comera de madrugada.
- Bem, vamos lá... é hora de mostrar que eles realmente fizeram uma boa escolha o lhe contratar Etevaldo! Vamos lá!

Saltitou cinco quadras... chamar de caminhada aquela experiência proporcionada pela calçada desnivelada e a pista esburacada seria elogio demais. 
Depois de alguns intermináveis minutos de espera, lá vinha o Grande circular... Esperava pegar aquele mesmo ônibus durante uns dois anos, daí quem sabe o dinheirinho que conseguisse ganhar desse pra dar entrada numa motinha. Quem sabe... 

Tudo parecia conspirar ao seu favor, conseguiu a ultima cadeira livre, daquelas altas, logo ao lado do trocador. Um garoto talvez um ou dois anos mais velho que ele, mas parecia um pouco mais velho pela carranca mal educada que sustentava. "Bem... que tenha a carranca que quiser... eu, tenho um sorriso..." pensou consigo mesmo.
O som do rádio anunciava as mais pedidas do dia anterior, o boletim policial, alguma coisa sobre economia que não entendeu bem e o horoscopo... "opa, vejamos o que tem para peixes hoje." Marte caminha na direção de Saturno em Escorpião e você começa a sentir certas dificuldades no andamento de um projeto que envolve pessoas ou empresas estrangeiras. O momento é de impotência, portanto tenha cautela e paciên.... Bora porra passa logo esse dinheiro.
Acordou do transe da atenção despendida ao rádio... Ta olhando o que porra, bora abre aqui motorista! Vou ter que enfiar bala nesses viado aqui atrás???!!!

- Puta que pariu...abre logo cara... abre logo... - pensou Mailson -Bora motorista... aêee otário é assim que se faz... e vocês tão olhando o que bando de vagabundo. Desceu correndo. do ônibus. Ouviu a voz de umas velhas atrás de si gritando por socorro... Que se foda ela, tinha que pagar a divida do Marailson senão o CêGê ia pipocar o irmão e a mãe não ia aguentar perder mais um... Depois de uns quatro quarteirões desacelerou o passo... saltitou por mais umas três ruas. Pegou o uniforme dentro da mochila, troco de blusa ali na rua mesmo. Era mais um estudante indo pro colégio. Aeee cabeçada, 100%? 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina