Clichê em branco e vermelho

Era um puta de um clichê, mas era... então que seja.

A pele alva já lhe prendia a atenção.
Mas os cabelos vermelhos...
O fogo que prenunciavam era apenas uma fagulha.
Dentro dos olhos banhados pelo sol, o verdadeiro fogo se anunciava.
Era um fogo de vida.
Um fogo que consumia normas.
Que transformava em chamas pequenas regras e convenções.
Um fogo que a fazia assustadora...
Assustadoramente bela com sua fome, de ser, de possuir, de viver.

Era um puta de um clichê...

Os escritores já encheram milhares de paginas sobre os cabelos vermelhos.
Madeixas que prenunciam sempre a magia... da natureza e do sexo.
Os roteiristas de revistas em quadrinhos sem pudor de se fazerem repetir colocavam a cor vermelha em todas as mulheres prenhes de vida e de poder.
São uns filhos da mãe...
Corajosos apontam para o óbvio.

Até então parecia ser apenas um clichê.
Mas ela mostrou que era um puta de um clichê.
Repetido, nada original, mas verdadeiro.


Queimava e se deixava consumir sem nunca acabar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina