Queria ser poeta.

Queria ser um poeta.
Queria com uma sacada única resumir o mundo em numa frase.
Mas ao mesmo tempo, nesse resumo torná-lo gigante.
Pois reflexivo.
Seria como um espelho olhando para o outro.
Uma reflexão eterna.
Compreendida em um único instante.
O pensado em linha reta.
Correndo por caminhos menores que um quanta.
Mais fortes que uma formiga.
Mais poderoso que uma semente.

Queria ser um poeta.
Mas nasci para prosa.
E até ela às vezes me falta.
Deveria me resumir ao silêncio.
Sou teimoso.
Proseio mesmo assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina