Fetichismo

Viu-se cercado pelas peças de decoração que acabaram de chegar do mercado.
Para cada lado que corria os olhos via móveis: coloniais, modernistas, usados e novos.
As paredes estavam repletas de quadros, faixas, e relógios... cucos, digitais e analógicos, tanto faz.
Sorriu.
Por entre as pálpebras semicerradas viu. Não acreditava no que estava vendo.
Havia uma fresta de parede azul que ainda era visível.
Inquietou-se.
Tinha que mover aquele quadro de Dali... ele era do tamanho perfeito, conseguiria cobrir o espaço vazio.
Esticou o braço.
Não alcançou.
As pernas presas entre as diversas mesas de todos os tipos diferentes de madeira.
Carrara, carvalho, cambará, angelim, caxeta, cedro...
Sentiu-se satisfeito pelo que tinha.
Tinha bastante.
Apesar de que...
Aquela fresta de parede permanecia não coberta.
Não era o bastante.
Precisava de mais.

Pegou um dos trinta celulares para ligar pro depósito.
Ergueu a vista em um exercício de pensamento...
- Meu Deus!!!

O teto estava praticamente vazio, apenas 19 lustres pendiam sobre sua cabeça.
Precisava de mais.
Não era o bastante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina