O juiz

Cerimonialmente adentrou.
A presença encheu o espaço.
O misto de garbo e empáfia acompanhados do cheiros inebriante de alfazema e talco.
- Todos de pé. A sessão está aberta.
O olhar vago deu lugar ao mais pétreo de todos.
Mastigando o próprio queixo deixou suas duas mãos pousarem sobre a mesa.
Solenemente proferiu:
- A esbornia contudo.
Arrancando a toga saiu em uma velocidade formulaumneana.
Tem mais o que fazer do que julgar a vida alheia.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina