O rei sobre a montanha.

Conseguia ver todo o vale a sua frente.
Chegara até lá.
O trono bem no alto da montanha lhe permitia ver o que nunca antes outro alguém vira.
Não importava a direção, podia ver a tudo e a todos.
Nada estava entre ele e o que seu olhar podia alcançar.
Mas não havia mais nada para ver.
Em sua ânsia de chegar até o topo da montanha ele cortou, matou, assassinou, roubou.
Estava no topo do mundo.
Sentado em seu trono de sujeiras.
Era um rei.
E seu reino era um mar de cinzas.
Coroara-se como o primeiro de seu nome.
E o último de seu povo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A beleza do morto"

A demasia do excesso.

Sabedoria canina